Abrir menu principal
Bem te vi!
por Francisco Leite de Bittencourt Sampaio
Poema agrupado posteriormente e publicado em Parnaso Sergipano

Debaixo d’este arvoredo
Para te olhar me escondi.
Tu passavas ;—em segredo
Cantei baixinho com medo:
Bem te vi !

Quiz dizer-te atraz correndo :
«Morro de amores por ti !
Mas não sei porque tremendo
Fiquei parado, dizendo :
Bem te vi !

Junto á fonte crystallina
Scismando chegaste alli.
Sopra a briza á cazuarina
Doce nome—Cipladina—
Bem te vi !

E tu voltaste cantando,
—Que voz tão meiga que ouvi!
Fui então te acompanhando:
Foste andando… foste andando…
Bem te vi !