Diferenças entre edições de "História da Mitologia/XXVII"

1 byte adicionado ,  14h29min de 5 de abril de 2014
Apolo atendeu a oração de seu sacerdote, enviando a peste para os campos da Grécia. Um conselho então, foi deliberado para decidir uma maneira de aplacar a ira dos deuses e evitar a praga. Aquiles corajosamente atribuiu os infortúnios, nas costas de Agamemnon, cuja causa teria sido a prisão de Criseida. Agamemnon, enfurecido, concordou em dar liberdade à cativa, mas exigiu que Aquiles, no lugar de Criseida, lhe entregasse [[:w:Briseis|Briseis]], uma donzela que fazia parte do quinhão de Aquiles na divisão do espólio. Aquiles aceitou, mas declarou que daí em diante não participaria mais da guerra. Ele retirou suas forças dos campos gerais e declarou abertamente a intenção de retornar à sua casa na Grécia. Os próprios deuses e deusas estavam tão interessados nesta célebre guerra como as partes envolvidas.
 
Era já um fato conhecido para eles que a sorte havia decretado a derrota de Troia, irrevogavelmente, caso seus inimigos perseverassem e não abandonassem voluntariamente a luta. Contudo, as chances eram múltiplas com relação à possibilidade de estimular tanto as expectativas como os temores dos poderes superiores, os quais tomavam parte de ambos os lados. Juno e Minerva, por causa da leve influência de seus encantos por Páris, eram hostis aos troianos, Vênus, por motivos opostos, os favorecia. Vênus conquistou [[:w:Marte (mitologia)|Marte]], seu admirador, para sua causa, mas [[:w:NetunoNeptuno (mitologia)|Netuno]], era favorável aos gregos. Apolo optou pela neutralidade, algumas vezes defendendo um lado, outras vezes o outro, e o próprio Jove, embora amasse o bom rei Príamo, mesmo assim, exerceu um grau de imparcialidade, não contudo, sem exceções.
 
Tétis, a mãe de Aquiles, sentiu ardentemente a desfeita feita ao seu filho. E imediatamente dirigiu-se ao palácio de Jove e implorou a este para que fizesse com que os gregos se arrependessem da injustiça feita à Aquiles concedendo a vitória para os exércitos de Troia. Júpiter concordou, e na batalha que se seguiu, os troianos saíram completamente vitoriosos. Os gregos foram expulsos de seus campos e se refugiaram em seus navios. Então, Agamemnon convocou um conselho com seus líderes mais valorosos e mais sábios. Nestor avisara que uma embaixada seria enviada a Aquiles para convencê-lo a retomar o combate, que Agamemnon lhe daria a donzela, a qual era a causa da disputa, além de muitos presentes para atenuar o mal que ele havia causado.