Floco de espuma

Floco de espuma
por Paulo Setúbal
Poema publicado em Alma Cabocla


Naquele amor todo feito
De misterioso capricho,
Vivias tu no meu peito,
Como uma santa num nicho.

Dessa ventura, no entanto,
Só restam fundos espinhos:
— Saudades do teu encanto,
Lembrança dos teus carinhos...

Só resta um fino ressabio,
Só resta um vago lampejo,
De que era doce o teu lábio,
De que era quente o teu beijo!

Pobre ilusão que se esfuma
Na cinza dos desenganos:
— Tu foste um floco de espuma
No mar azul dos vinte anos...