Abrir menu principal

Wikisource β

Flor perdida


Flor perdida
por Ernesto Pires
Poema publicado em Camões e o amor.

Esta obra há sido completamente validado.

Quando sorria a infancia docemente
Aos olhos infantis da minha esp'rança,
Era-me o ceu azul, azul bonança
       8Me enchia o alegre peito, ternamente.

Brilhante o espaço, a aurora transparente,
Brando o futuro se a illusão avança!...
Assim jámais o coração se cança,
       12Mostrando á nevoa fria um sol ardente.

Pastam os olhos meigos pelos prados,
Os astros rompem sempre vigorosos
       11As campinas do ceu, fortes arados.

E murcham sobre a campa luminosos
os lyrios! E' que lembram, emigrados
       14Alegres campos, verdes, deleitosos.