Abrir menu principal
Poesias
por Aureliano José Lessa


Que mão misteriosa me conduz?
Vai pelo espaço o globo rodeando
Acelerado, infrene...
Trevas medonhas, lâmpadas de luz
Sobre a minha cabeça vão rolando
Em um giro perene.

Ó terra, Ó sol, ó noite, Ó céus, e marés!
Quem sou? quem sois? Que mão misteriosa
Que força sempiterna
Fabricou, e sustenta sobre os ares
Esta máquina imensa e majestosa?
Que sábio vos governa?

A TERRA
Seja a terra, Ele mandou,
E eu fui no profundo espaço.
Impeliu-me com seu braço,
E meu giro começou:
O meu primitivo passo
Ao veloz tempo marcou
A origem da sua idade;
Eu rasgue! a imensidade,
E Ele da eternidade
O imóvel seio rasgou

O SOL
Seja a luz, disse o Senhor,
E eu no abismo rutilei,
Longe as trevas arrojei
Que ocultam dos céus a cor;
E eu que sou do espaço rei,
Coa luz dos olhares meus
A vida aos mortais dardejo;
São estrelas meu cortejo,
Do universo as molas rejo,
Mas regem-me as mãos de Deus!

O MAR
A minha informe amplidão
Do infinito é tosca imagem:
O brado é minha linguagem
No hino da criação!
Pra render minha homenagem,
Tento aos astros me arrojar,
E sobre mil escarcéus
Louvar o Senhor nos céus...
Mas quebra os arrojos meus
Do Senhor um s6 olhar!...

A NOITE
Eu sou a mãe do repouso,
Que na terra o sono espalho,
E com lágrimas orvalho
O hemisfério sequioso;
O sol protege o trabalho,
Eu sou a sócia de amor;
Mas visto estrelado manto
Para alçar perene canto
Ao nome três vezes santo,
Ao nome do Criador.

O HOMEM
Eu sou um raio finito
Da infinita inteligência,
Que no livro da existência
Leio em toda a parte escrito
O nome da Providência,
Do Deus, do Senhor, do Pai!
Eia, ó céus! ó terra! ó dias!
Ó mar! ó noite sombria!
Juntemos nossa harmonia
Para louvar Adonai!...
Nós, ó Senhore, te louvamos,
Nós, Senhore, te bendizemos,
E a fonte donde descemos
Perpetuamente adoramos!
Hosana, hosana entoemos!
Ao Deus, ao Pai, ao Senhor!
Hosana de noite, e dia,
No scéu, na terra, à porfia,
E em toda a parte harmonia
Ao Deus, ao Pai Criador!...