Abrir menu principal
Ironia de lagrimas
por Cruz e Sousa
Texto agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Ironia de lágrimas.



Junto da Morte é que florésce a Vida!
Andamos rindo junto á sepultura.
A bocca aberta, escancarada, escura
Da cóva é como flor apodrecida.

       5A Morte lembra a estranha Margarida
Do nosso corpo, Fausto sem ventura ...
Ella anda em torno a toda a creatura
N'uma dansa macabra indefinida.


Vem revestida em suas negras sêdas
       10E a martelladas lugubres e tredas
Das Illusões o eterno esquife prega.

E adeus caminhos vãos, mundos risonhos!
Lá vem a loba que devóra os sonhos,
Faminta, absconsa, imponderada, céga!