Abrir menu principal
Lembranças apagadas
por Cruz e Sousa
Poema publicado em Broqueis (1893).
Obra com ortografia atualizada disponível em Lembranças apagadas (ortografia atualizada).




Outros, mais do que o meu, finos olfactos,
Sintam aquelle arôma estranho e bello
Que tu, ó Lyrio languido, singéllo,
Guardaste nos teus íntimos recatos.

Que outros se lembrem dos subtis e exactos
Traços, que hoje não lembro e não revéllo
E se recordem, com profundo anhélo,
Da tua voz de sideraes contactos...


Mas eu, para lembrar mortos encantos,
Rosas murchas de graças e quebrautos,
Linhas, perfil e tanta dôr saudosa,

Tanto martyrio, tanta magoa e pena,
Precisaria de uma luz serena,
De uma luz immortal maravilhosa !...