Abrir menu principal
Martírio Supremo
por Augusto dos Anjos


Duma Quimera ao fascinante abraço,

Por um Cocito ardente e luxurioso,

Onde nunca gemeu o humano passo,

Transpus um dia o Inferno Azul do Gozo!

O amor em lavas de candência d'aço,

Banhou-me o peito... Em ânsia de repouso,

Da Messalina fria no regaço,

Chora saudades do terreno pouso!

Como um mártir de estranho sacrifício,

Tinha os lábios crestados pela ardência

Da luz letal do grande Sol do Vício!

E mergulhei mais fundo no estuário...

Mas, no Inferno do Gozo, sem Calvário,

Cristo d'amor morri pela inocência!