Abrir menu principal
Matais de incêndios
por António Marques Lésbio
Vilhancico de Natal barroco do grupo de Mogi das Cruzes.


Matais de incêndios, meu lindo, ai lê lê.
Porque um Sol me pareceis; não me mateis.

Deixai que eu goze essas luzes, ai lê lê.
Meu amor não me mateis.

Hei de chegar-me aos incêndios, ai lê lê.
Inda que raios vibreis.

Mas se a Vós me chego, amante, ai lê lê.
Meu amor não me mateis.

Para abrasar corações, ai lê lê.
As palhinhas acendeis.

O meu por Vós já se abrasa, ai lê lê.
Meu amor não me mateis.

Suspendei, Menino, o pranto, ai lê lê
Mas, meu lindo, não choreis.

Ora, fazei-me a vontade, ai lê lê
Meu amor não me mateis.