Minha Mãe (Luís da Gama)

Minha mãe era mui bella,

—Eu me lembro tanto d’ella,
De tudo quanto era seu!
Tenho em meu peito guardadas.
Suas palavras sagradas
C'os risos que ella me deu.

     Junqueira Freire


Era mui bella e formosa,
Era a mais linda pretinha,
Da adusta Lybia rainha,
E no Brasil pobre escrava!
Oh, que saudade que tenho
Dos seus mimosos carinhos,
Quando c’ os tenros filhinhos
Ella sorrindo brincava.

Eramos dois — seus cuidados,
Sonhos de sua alma bella;
Ella a palmeira singela,
Na fulva areia nascida.
Nos roliços braços de ebano
De amor o fructo apertava,
E á nossa bocca junctava
Um beijo seu, que era vida.

Quando o prazer entreabria
Seus labios de roixo lirio,
Ella fingia o martyrio
Nas trevas da solidão.
Os alvos dentes nevados
Da liberdade eram mytho,
No rosto a dor do afflicto,
Negra a côr da escravidão.

Os olhos negros, altivos,
Dous astros eram luzentes ;
Eram estrellas cadentes
Por corpo humano sustidas.
Foram espelhos brilhantes
Da nossa vida primeira,
Foram a luz derradeira
Das nossas crenças perdidas.

Tam terna como a saudade
No frio chão das campinas,
Tam meiga como as boninas
Aos raios do sol de Abril
No gesto grave e sombria
Como a vaga que fluctua,
Placida a mente — era a Lua
Reflectindo em Ceos de anil.

Suave o genio, qual rosa
Ao despontar da alvorada,
Quando treme enamorada
Ao sopro d’aura fagueira.
Brandinha a voz sonorosa,
Sentida como a Rolinha,
Gemendo triste sosinha,
Ao som da aragem faceira.

Escuro e ledo o semblante,
De encantos sorria a fronte,
— Baça nuvem no horisonte
Das ondas surgindo á flor;
Tinha o coração de santa,
Era seu peito de Archanjo,
Mais pura n' alma que um anjo,
Aos pés de seu Criador.

Se junto á cruz penitente,
A' Deus orava contricta,
Tinha uma prece infinita
Como o dobrar do sineiro ;
As lagrimas que brotavam
Eram pérolas sentidas,
Dos lindos olhos vertidas
Na terra do captiveiro.