Noções Elementares de Archeologia/Introducção

Noções Elementares de Archeologia por J. de Vilhena Barbosa
Introducção


I

Não conheceram os povos da antiguidade a archeologia, pelo menos como uma sciencia. Foi ignorada dos proprios gregos e romanos, não obstante a sua brilhante civilisacão, e apezar dos primeiros lhe terem creado o nome, composto de dois vocabulos seus: archaios, que quer dizer antigo, e logos discurso. E tanto a desconheciam, confundindo-a com a historia, que alguns escriptores gregos e israelitas do principio da era christã, deram o nome de archeologia a obras que tratavam simplesmente da historia de povos, embora desde tempos remotos, ou que se occupavam de antiguidades, mas limitando-se a descreverem os monumentos, sem entrarem nas apreciações e conjecturas, que levam o archeologo ao conhecimento do viver dos povos da antiguidade.

Os generaes romanos, quando voltavam d'essas emprezas guerreiras que accrescentavam ao imperio novas provincias, traziam mil objectos preciosos, variadissimas manifestações da arte e da industria dos vencidos, curiosos utensilios e ricos ornamentos em marmore, bronze, prata e oiro, obra de diversos povos, e differentes seculos. Pois os romanos applaudiam e apreciavam essas preciosidades, que vinham enriquecer a sua capital, constituindo-a um verdadeiro museu archeologico, apreciavam-n'as, repito, sómente como despojos arrebatados aos vencidos pelas suas aguias triumphantes, como tropheus de victorias, que glorificavam o seu nome, e estendiam o seu poderio.

Nem os vasos sagrados do templo de Jerusalem, preciosos pela materia e ricos de tradições antiquissimas; nem os obeliscos do Egypto, padrões de tão remotas eras; nem as famosas estatuas da Grecia, sublimes creacões do genio humano em uma das quadras mais notaveis da historia geral da civilisacão; nem estes, nem outros objectos archeologicos e primores d'arte, que eram transportados a Roma a todo o momento, nos tempos da sua grandeza, faziam meditar os romanos sobre as extinctas civilisações, que muitos d'esses objectos recordavam, com o intuito de devassarem os mysterios da vida d'essas nações, sumidas nos abysmos do passado.

Pausanias, geographo e historiador grego que, nas suas longas viagens, visitou a maior parte do mundo então conhecido, vindo depois estabelecer a sua residencia em Roma, no anno 170 do nascimento de Christo, escreveu a Descripção da Grecia, na qual trata com minuciosidade de todos os seus monumentos. Porém limita-se a descrevel-os como historiographo, sem os estudar e apreciar como archeologo.

Baqueou o imperio romano ao duro embate dos barbaros do norte; e o mesmo tufão, que o varreu da face da terra, apagou aquelle facho resplandecente, que irradiava a luz da civilisacão para todas as regiões do orbe antigo, onde chegavam as armas da soberba Roma.

Succederam-se, portanto, a tamanho explendor as mais crassas trevas da ignorancia e da barbaridade, em que a Europa esteve mergulhada durante seculos, até que emfim raiou a aurora da regeneração social, renascendo as letras e as artes. Foi então que surgiram os primeiros ensaios da archeologia. Dante e Petrarca, os illustres iniciadores da litteratura moderna, foram tambem os creadores da sciencia archeologica, precedendo a todos os sabios na investigação dos manuscriptos antigos, no descobrimento e decifração de velhas inscripções, e no estudo das moedas, em que o segundo se occupou.

Não tardaram a ter imitadores que procurassem desvendar, sob o pó dos seculos, os mysterios da historia. A descoberta de algumas pinturas antigas, em excavações casuaes, quando os espiritos já começavam a raciocinar sobre a theoria da arte, e quando já se principiava a apreciar os monumentos da antiguidade como annaes do viver das gerações passadas, foi um novo incentivo para os estudiosos, e um raio de luz nos escurissimos caminhos da nova sciencia.

Uma coincidencia feliz veio dar maior impulso e mais auctoridade aos estudos archeologicos.

Miguel Angelo Buounarotti e Raphael Sanzio d'Urbino assombravam Roma e a Europa culta com os explendores do seu talento na pintura, na esculptura e na architectura, quando Felix de Fredi descobriu n'aquella cidade, em 1506, entre as ruinas das Thermas de Tito, o famoso grupo de Laocoonte e seus dois filhos envolvidos pelas serpentes. Enlevados n'este grande primor da esculptura antiga, aquelles dois eximios artistas procuraram com desvelada applicacão descobrir o nome do auctor d'esta maravilha da arte, e a era em que foi executada. Caminhando de investigação em investigação visitaram e estudaram attentamente as grandes ruinas da architectura grega e romana, os restos preciosos da sua admiravel esculptura e as inscripções lapidares.

Estes estudos foram tão applaudidos, e tão reconhecidas as suas vantagens, que não tardou a fundar-se em Florença, sob o governo dos Médicis, a primeira escola publica d'antiguidades.

Tal foi o começo da archeologia.

II}

O exemplo de Miguel Angelo e de Raphael, teve imitadores pouco depois em França, Allemanha, e outras nações, onde alguns homens estudiosos, não cultores das artes, mas apreciadores das suas obras, se occuparam de investigações archeologicas, posto que em geral restrictas á numismatica e á epigraphia.

Este segundo periodo da nova sciencia, que é denominado dos antiquarios, abrange os fins do seculo XVI, todo o XVII e a primeira metade do XVIII.

Portugal não foi indifferente a este progresso. Poderia dizer que n'este passo, como em muitos outros, se antecipou ás mais nações, pois que no principio da segunda metade do século XV, D. Affonso, marquez de Valença, filho primogenito de D. Affonso I, duque de Bragança, indo acompanhar a Italia e Allemanha a imperatriz D. Leonor, filha d'el-rei D. Duarte, e esposa do imperador d'Allemanha Frederico III, comprou e reuniu durante a sua longa viagem muitos objectos d'antiguidade e de historia natural, com os quaes, na sua volta á patria, organisou um museu, que seu pae augmentou com varios cippos, lapidas e fragmentos d'archeologia romana, descobertos no Alemtejo. Foi este o primeiro museu, que se creou n'este reino, e creio que precedeu a todos os que se crearam na Europa.

Todavia, apezar d'este estimulo, o estudo d'antiguidades só teve principio entre nós passado um seculo; e foi de fóra que então nos veio o incentivo.

Graças ás intimas relações do nosso paiz com as principaes potencias maritimas da Europa, desde a entrada do seculo XVI, estabelecidas pelos descobrimentos e conquistas dos portuguezes, que fizeram de Lisboa o emporio das mercadorias do Oriente, o movimento scientifico, que lavrava n'aquellas nações, não se demorava muito em se fazer sentir entre nós. Porém no caso de que trato abreviou esse periodo, sem duvida, a viagem de um nosso compatriota, que alcançou nas letras nome illustre. André de Rezende, depois de ter cursado a universidade de Salamanca, e de ter tomado capello em theologia, levado do desejo de se instruir, percorreu a França e os Paizes Baixos, demorando-se em Paris e em Bruxellas. O trato que teve n'estas cidades com alguns sabios, suscitou-lhe o amor dos estudos archeologicos. Regressando á patria entregou-se com ardor e perseverança a esses estudos, colligindo alguns cippos e outras lapidas com inscripções romanas, que collocou no jardim da casa em que habitava na cidade d'Evora, investigando e decifrando um grande numero de monumentos epigraphicos do nosso paiz, e compondo por fim varias obras, em que dava conta d'essas locubrações predilectas. Duas viram a luz da imprensa, com o titulo de: Historia das antiguidades d'Evora, publicada em 1553; e Libri quatuor de antiquitatibus Lusitàniæ, impressa em 1593, vinte annos depois da sua morte. D'entre as que deixou manuscriptas sobre o mesmo genero d'assumptos, citarei: Monumenta, romanorum in Lusitanis urbibus.

Assim começaram estes estudos em Portugal; e do mesmo modo continuaram n'esse seculo e no seguinte, restrictos todavia á época do dominio romano.

As nações que percorriam as vias do progresso com passo firme e resoluto mostraram-se empenhadas no desenvolvimento dos estudos archeologicos, desde o meiado do seculo XVII, fundando academias ou escolas, onde se ensinava ou discursava sobre antiguidades.

Então os adeptos da nova sciencia, sequiosos de emoções e buscando alargar a área dos seus estudos, visitam a Grecia, exploram o solo, desenterram soberbos monumentos, escrevem e publicam em muitos livros os resultados das suas investigações.

Illustraram-se n'esta cruzada scientifica, principalmente, Jacob Span, e Bernardo de Montfaucon, francezes, e Wheler, João Augusto Ernesti, João Jorge Grœvinus, Gronovius, allemães. Todavia nos seus vastos repositorios de memorias e dissertações, posto que tratem mais particularmente das antiguidades gregas e romanas, já se occupam de todas as partes da archeologia.

III

Este impulso fez-se sentir em o nosso paiz nos fins do primeiro quartel do seculo XVIII. Fundando-se em Lisboa no anno de 1720, a academia real de Historia Portugueza, foi-lhe commettido, juntamente com a tarefa de escrever a historia de Portugal, o encargo de velar pela conservação dos monumentos nacionaes, obstando a que se destruissem, ou fossem levados para fóra do reino, os objectos d'antiguidade, já descobertos, ou que viessem a descobrir-se. Fundaram-se em Lisboa alguns museus de antiguidades, sendo um no proprio edificio da academia (o palacio dos duques de Bragança, na rua do Thesouro Velho), e os outros particulares. Entre as muitas obras volumosas, escriptas pelos academicos, e impressas por ordem da academia, contam-se algumas consagradas exclusivamente a antiguidades nacionaes.

Em geral os espiritos, que se dedicavam a este genero de litteratura, continuavam a concentrar todas as suas attenções nos monumentos romanos, de que havia então bastante copia no reino, e que estavam por conseguinte muito ligados com a nossa historia. Entretanto houve academicos que, saindo fóra d'esse apertado circulo, encetaram estudos inteiramente novos no paiz. Martinho de Mendonça e Pina, em 1733, leu em uma sessão d'aquella academia uma memoria sobre os rudes altares a que chamam antas em Portugal. Este estudo publicado nas Memorias da Academia, foi o primeiro trabalho litterario, que se fez entre nós relativamente a monumentos prehistoricos.

IV

Na segunda metade d'esse mesmo seculo teve começo o terceiro periodo da archeologia, no qual obteve os fóros de verdadeira sciencia. Abriu esse periodo um dos mais talentosos e perseverantes filhos da Allemanha. João Joaquim Winckelmann, nascido em 1717, e fallecido em 1768, que se elevou pelo seu saber, de uma posição social muito humilde, a vice-reitor da universidade de Halle, e a bibliothecario do Vaticano, foi o fundador da esthetica moderna, e o creador do estudo philosophico e consciencioso da arte antiga. Entre muitas obras, que lhe grangearam subida honra, sobresae a Historia da Arte, que immortalisou o seu nome. N'esta obra magistral, que dividiu em 6 livros, estabeleceu e sellou de um modo incontroverso a alliança das artes com a archeologia, marcando a esta, como norma e alvo a que deve mirar, seguir escrupulomente sob todos os aspectos, pela apreciação do trabalho humano nas artes e na industria, o desenvolvimento da civilisação nos seculos passados; e estabelecendo ao mesmo tempo o methodo racional e claro para alcançar esse fim.

Teve grande importancia esta obra, não só por dilatar os horisontes da nova sciencia, e abrir amplas vias aos seus cultores; mas tambem por diffundir o gosto dos estudos archeologicos, graças á elegancia do seu estylo, á lucidez dos seus argumentos, e sobretudo ao enthusiasmo com que falla dos grandes primores da arte antiga, e dos evplendores da civilisação grega e romana. D'essa benefica influencia originaram-se alguns dos mais ricos museus de antiguidades, que hoje existem, e muitas collecções partiticulares valiosas, que promoveram e facilitaram o estudo.

Seguindo ousadamente os passos do erudito auctor da Historia da Arte, assignalaram-se após elle outros archeologos por distinctos serviços prestados á sciencia. O conde de Caylus classifica por ordem chronologica os monumentos das differentes edades, e penetra o segredo que produziu a maior parte das artes. O archeologo italiano Morcelli cria um systema regular para a classificação das inscripções, conforme o assumpto de que tratam, e para o estudo d'ellas, segundo o seu estylo. O celebre numismata padre Eckhel, jesuita allemão, coordena methodicamente a sciencia das medalhas; á qual o douto dinamarquez Rask accrescentou a ordem alphabetica. O sabio philologo e antiquario padre Passeri, italiano, que organisou o rico museu do grã-duque de Toscana, explica a um numeroso auditorio sob o portico de Lanzi, em Florença, com mais proficiencia do que o fizera Demspter, no seculo antecedente, os idiomas e os monumentos da Italia, anteriores á fundação de Roma.

O descobrimento das ruinas de Herculanum deixára ajuizar de alguns usos e costumes dos romanos ainda mal conhecidos. Porém quando em 1755 se começou a levantar a espessa mortalha, que envolveu Pompeia em seu leito de morte durante 17 seculos, fazendo surgir do sepulchro uma cidade romana com as suas praças, ruas e casas guarnecidas e adereçadas interiormente, como na hora fatal em que as cinzas do Vesuvio a sepultaram no anno 79 da era christã, revelou-se aos olhos absortos dos antiquarios a vida publica e privada do povo romano com todos os seus usos e costumes, pois que só então foi bem conhecida uma infinidade de coisas e circumstancias, que eram inteiramente ignoradas.

Accentuando-se cada vez mais os progressos da archeologia, o abbade Barthelemy, francez, reedifica a Grecia de Pericles, e Jorge Zoega, antiquario dinamarquez, começa a erguer o veu que occultava á sciencia o antigo Egypto. Napoleão Bonaparte emprehende a conquista d'este paiz, e as aguias francezas triumphantes abrem ignotos caminhos á archeologia, e patenteiam-lhe um immenso thesouro de preciosas reliquias da mais remota antiguidade. Vivant-Denon reproduz com o seu lapis habil e delicado, os soberbos monumentos do imperio dos Pharaós, e copía com escrupulosa exactidão, dos muros ennegrecidos pelo embate de tantos seculos, esses mysteriosos caracteres, que encerram, sob mil fórmas emblematicas, senão os annaes, a vida intellectual do antigo povo egypcio.

D'entre um grande numero de sabios, que illustram a archeologia com os seus escriptos, Champolion descobre o alphabeto dos hieroglyphicos, e assim preenche uma lacuna de seculos, que a historia tinha deixado no esquecimento. Millin funda em 1792 o jornal Magasin Encyclopedique, por meio do qual derrama e popularisa os estudos archeologicos; publíca varias obras importantes sobre esta sciencia, e um Diccionario de Bellas Artes. Raoul-Rochette enriquece a litteratura franceza com o seu excellente Curso d'Archeologia, e entre outras publicações não menos interessantes, que fazem conhecidos e devidamente apreciados alguns sabios inglezes, italianos e allemães, Mr. A. du Caumont facilita e popularisa o estudo d'esta sciencia com seu precioso Abecedario ou rudimentos da archeologia.

Os livros d'estes homens, de espirito elevado, dão um grande incitamento ás investigações archeologicas; e as descobertas dos testemunhos authenticos da existencia do homem na remotissima época quaternaria, trouxeram ao campo das discussões scientificas a origem da especie humana, e o seu viver nos tempos prehistoricos. Colleccionaram-se e patentearam-se ao publico os utensilios e instrumentos de que usaram os homens na sua idade primitiva, e que se iam descobrindo em excavacões casuaes ou feitas expressamente com esse intuito. E não tardou a reconhecer-se a conveniencia de se reunirem em congresso os homens que nos differentes paizes se dedicavam a estes estudos, para que da exposição das suas investigações, e das discussões de uma assembléa tão competente e auctorisada, se projectasse luz nas trevas d'esse remoto passado.

Coube a mr. Desor, distincto naturalista, a honra de ser o primeiro a apresentar a idéa de um congresso internacional de archeologia prehistorica. Este pensamento enunciado em Paris, foi abraçado com enthusiasmo; porém antes que podésse ser realisado na terra, onde tivera origem, antecipou-se a Italia a encetar estas controversias.

No outono de 1865 a sociedade das sciencias naturaes, reunida em Spezzia, occupou-se dos tempos prehistoricos. No anno seguinte reunem-se os archeologos de differentes paizes em Neufchatel, na Suissa, celebram o primeiro congresso internacional de archeologia prehistorica; tratam largamente do assumpto; ajustam e lançam as bases para a convocação do segundo congresso, que dá principio ás suas sessões em Paris, no anno de 1867, ao mesmo tempo que se abre n'essa cidade a grande exposição universal, com uma secção intitulada Historia do trabalho humano, onde figuram productos variadissimos da industria humana de todos os paizes do globo, e de todas as épocas até ás primitivas da humanidade.

Desde então entrou a archeologia em um periodo de verdadeira actividade scientifica, protegida pelos governos das nações mais cultas, reconhecida a sua importancia e justamente apreciada por todas as pessoas illustradas, qualquer que seja o rumo dos seus conhecimentos.

V

Portugal não tem tomado a parte activa, que lhe cumpria tomar, como paiz civilisado, e a quem tanto deve a moderna civilisação, n'aquelle movimento scientifico. Todavia, não se póde dizer que lhe tenha ficado estranho.

Varias memorias, publicadas pela academia real das sciencias de Lisboa, provam que esta corporação se occupou, desde a sua instituição, de assumptos archeologicos, relativos á historia do paiz. Além disso n'estes últimos annos tem havido entre nós não poucos escriptores que se tem dedicado aos estudos archeologicos, e d'entre estes, alguns zelosos investigadores do que diz respeito aos tempos prehistoricos.

Temos sido muito descuidados na formação de museus archeologicos, e é uma vergonha que não tenhamos um unico estabelecimento d'este genero, digno de ser exposto aos olhos dos estrangeiros illustrados que visitam o nosso paiz. E maior vergonha é que não exista, podendo e devendo existir, independentemente do recurso ás excavacões muito dispendiosas. Era bastante para constituir um museu de objectos archeologicos e artisticos, muito rico e variado, os milhares de objectos, producto do trabalho humano, em diffrentes edades, de remotas eras, em oiro, prata, bronze, vidro, barro e pedra, descobertos nas provincias do reino, sobretudo na Estremadura, Alemtejo e Algarve, desde o seculo XV, em excavacões casuaes, e muitos objectos preciosos e alfaias dos extinctos conventos.

Por iniciativa, e póde dizer-se por unico esforço do sr. J. Possidonio Narciso da Silva, fundador e presidente da real associação dos architectos e archeologos portuguezes, deu começo esta associação no edificio da egreja gothica e arruinada do extincto convento do Carmo, onde se acha estabelecida, a um museu archeologico. Carece, porém, de muitas condições para preencher os fins a que são destinadas similhantes collecções, sendo uma das principaes, a organisação scientifica e chronologica, e conveniente collocação dos objectos alli reunidos. Devo accrescentar, porém, que achando-se alli todos os objectos accumulados e apertados por falta absoluta d'espaço; aquella organisação e conveniente collocação estão dependentes de uma obra importante e despendiosa; a cobertura das naves da egreja.

Guardam-se em differentes estabelecimentos publicos de Lisboa, Porto e Evora, diversidade de objectos archeologicos e artisticos, que se estivessem reunidos formariam uma collecção mui curiosa, e de certa importancia. Tambem são dignas de menção as collecções de fosseis, instrumentos e utensilios prehistoricos da secção geologica, no edificio do extincto convento de Jesus.



Pois que fui mais prolixo do que desejava no quadro historico, que fica traçado, procurarei ser conciso nas noções geraes da sciencia archeologica, noções que mr. Du Caumont julgou desnecessario explicar n'este livro.

A archeologia é a sciencia que tendo por fim, como o indica o seu nome, o estudo da antiguidade, nos ensina a conhecer o viver dos povos antigos por meio do exame e apreciação dos monumentos, que nos deixaram, e de todos os objectos, que d'elles nos restam como manifestação do seu engenho e do seu trabalho.

A historia narra os successos, indica-lhes as causas, e aponta-lhes as consequencias. Julga do caracter e indole dos povos, e dos individuos que mais se assignalaram; e trata dos monumentos, como provas que mostram o seu desenvolvimento intellectual e industrial, e tambem como testemunha d'aquelles successos.

A archeologia examina attentamente todos os productos materiaes, que os antigos povos nos legaram, e d'esse estudo minucioso, comparativo e philosophico, faz resaltar o conhecimento das idéas, da religião, dos usos e costumes, do desenvolvimento industrial e artistico, emfim do viver dos povos, aos quaes esses productos pertenciam.

Portanto a archeologia faz importantes serviços á historia, não só esclarecendo-a, com a luz que derrama onde tudo é trevas, mas tambem completando-a com uma infinidade de noções e de objectos reaes, que nos apresentam um quadro verdadeiro da vida intima dos povos da antiguidade, que sem os esforços dos archeologos seriam ignorados ou apenas conhecidos superficialmente.

A archeologia divide-se em tres partes, que a seu turno se subdividem: 1.ª litteraria—2.ª artistica—3.ª usual. Comprehende a primeira toda a sorte de monumentos em que ha inscripções, quaesquer que sejam os seus caracteres e a materia que os contenha. Subdivide-se em paleographia,diplomatica e epigraphia. A paleographia ensina a decifrar as antigas escripturas em pergaminho ou em outra substancia com caracteres alphabeticos, ou ediographicos, ou signaes emblematicos, como os hyeroglyphicos dos egypcios, ou outros convencionaes. A diplomatica indica o modo de conhecer, pelos caracteres internos e externos, a authenticidade dos documentos. A epigraphia trata da interpretação das inscripções gravadas em pedra, em metal, ou em qualquer outra materia.

A archeologia artistica trata de todos os monumentos da antiguidade, taes como edificios religiosos, civis e militares, e todos os generos de obras d'arte.

Subdivide-se em archeologia monumental, que diz respeito ás obras d'architectura, d'esculptura e de pintura; em iconographia, que é o estudo dos bustos e dos retratos dos personagens historicos; em numismatica, ramo consagrado ao exame das moedas e medalhas; em glyptographia, que trata das pedras gravadas, representando quaesquer figuras; e, finalmente, em archeologia usual, que abrange toda a qualidade de alfaias, utensilios e instrumentos sagrados, domesticos, militares, funerarios, etc.

São estas as divisões scientificas da archeologia. Porém, considerada relativamente ás grandes épocas da vida da humanidade, póde dividir-se em archeologia prehistorica, dedicada ao estudo das edades primitivas do homem, das quaes não restam memorias escriptas, nem gravadas, nem tradicionaes, existindo por unicos vestigios da sua passagem na terra alguns rudes monumentos, e utensilios e instrumentos não menos toscos e grosseiros, encontrados em escavações: em archeologia dos antigos imperios orientaes; em archeologia classica, ou greco-romana; e em archeologia christã, que comprehende o periodo desde o nascimento de Christo até á renascença das artes e letras.

Emfim a archeologia é uma sciencia tão lata e complexa, que ainda precisa, para satisfazer cabalmente a sua importante missão, soccorrer-se a outras sciencias accessorias como são a linguistica, a paleontologia, a geologia, a anthropologia, e a ethnologia.

J. DE VILHENA BARBOSA.