Abrir menu principal
Os Bruzundangas por Lima Barreto
Capítulo XVI: A Organização do Entusiasmo


Os estrangeiros, porém, logo as percebem e contam nos seus livros. Li muitos livros de viagem na Bruzundanga; e, em nenhum deles vi referências a um costume curioso daquele país — "a manifestação".

Chama-se isto ao ato de fazer ressaltar uma dada personalidade com a aclamação, o vivório de muitos outros. Esta é a grande manifestação; há também as pequenas que consistem em banquetes, saraus, piqueniques, em honra de um dado sujeito.

Convém fazer observar que tanto uma espécie como a outra visam a publicação de longas notícias nos jornais, de modo a fazer crer ao público que o "manifestado" é mesmo homem de valor (às vezes o é) e merece dos poderes públicos todo o acatamento e toda a proteção. E este o fim oculto da "manifestação", grande ou pequena.

Houve lá um rapaz que, graças aos banquetes que lhe eram oferecidos e cujas notícias saíam em colunas pelos jornais afora, foi de segundo-tenente da Marinha a contra-almirante, em cinco anos, sem nunca ter comandado uma falua.

Um senhor que conheci, fez-se uma celebridade em astronomia, com auxílio dos saraus que lhe eram oferecidos pelos amigos. Ele tinha em casa um óculo de bordo, montado sobre uma tripeça, que, por sua vez, se alcandorava em um mangrulho erguido na sua chácara; lia o Flammarion; e isto tudo com mais uns amigos dedicados a lhe oferecer bailes, por ocasião das suas portentosas descobertas nos céus ignotos, levaram o governo da Bruzundanga a nomeá-lo diretor de um dos observatórios astronômicos da república.

Esses casos são de pequenas homenagens levadas ao cabo por amigos cuja amizade e vinhos generosos são bastantes para incutir-lhes entusiasmo, por ocasião de tais manifestações.

Mas, para as grandes, para aquelas feitas a políticos, a capitalistas, a embaixadores; para aquelas em que se exige multidão, o entusiasmo não era fácil de obter-se assim do pé pra mão e quando eram realizadas, além desse "defeito" apresentavam alguns outros.

Muitas vezes até os organizadores verificavam que os manifestantes não sabiam bem o nome do grande homem a festejar. Era uma lástima! Uma vergonha!

Acontecia em certas ocasiões que um grupo gritava — Viva o doutor Clarindo! — o outro exclamava: — Viva o doutor Carlindo — e um terceiro expectorava — Viva o doutor Arlindo! — quando o verdadeiro nome do doutor era — Gracindo!

Para obviar tais inconvenientes, houve alguém que teve a idéia de "canalizar", de "disciplinar" o entusiasmo do povo bruzundanguense, entusiasmo tão necessário às manifestações que lá há constantemente, e tão indispensáveis são ao fabrico de grandes homens que dirijam os destinos da grande e formosa República dos Estados Unidos da Bruzundanga.

Esse alguém, esse homem de gênio, cujo nome infelizmente me escapa agora, delineou — a "Guarda do Entusiasmo".

Os fins a que a organização de semelhante corpo manifestante devia obedecer, foram expostos pelo seu criador, mais ou menos, nas seguintes palavras que, se não são transcritas do seu manifesto, podem ser tomadas como verdadeiras, pois me gabo de ter muito boa memória:

Ei-las:

"As sucessivas e continuadas festas que Bosomsy (capital da Bruzundanga) tem dado a vários personagens nacionais e estrangeiros, nestes últimos tempos, sugerem a idéia de se organizar um corpo de dez mil homens, convenientemente fardados, armados e disciplinados, encarregados das aclamações, dos vivórios e todas as outras cousas que os jornais englobam sob o título — "Uma Entusiástica Recepção".

É conveniente que esse corpo tenha uma organização adequada e fique sujeito à suprema direção de um dos nossos ministérios, por intermédio de uma Diretoria-Geral de Manifestações e Festejos, que deve ser criada oportunamente.

O nosso catita Ministério de Estrangeiros está naturalmente indicado para superintender os destinos superiores dessa "Guarda do Entusiasmo", e da diretoria, que fará parte naturalmente da respectiva Secretaria de Estado.

O aproveitamento da energia entusiástica desses dez mil homens obter-se-á com uma disciplina inteligente e uma hierarquia conveniente.

Cada soldado, pelo menos, deverá dar dois "vivas" por minuto; os sargentos e demais inferiores, nos intervalos dos "vivas", baterão palmas, muitas palmas, seguidas e nervosas; os oficiais serão encarregados de soltar foguetes e traques; o general fará, por intermédio do corneta, os sinais da ordenança, de modo a graduar, a marcar a aclamação delirante.

Ter-se-á assim a canalização, a organização do entusiasmo, e a população de Bosomsy, mediante um pequeno imposto, ficará desembaraçada do ônus manifestante.

O fardamento não custará lá grande cousa. Roupas usadas, velhos chapéus de funcionários sobrecarregados de família, botas acalcanhadas de empregados de advogados emprestarão aos soldados o aspecto mais popular possível. Os oficiais vestirão a sobrecasaca de sarja das grandes ocasiões; o general e o seu estado-maior virão em carro descoberto.

A "Guarda do Entusiasmo" não formará, por completo, para toda e qualquer homenagem.

Um embaixador belíssimo terá direito à metade; um chefe de Estado feio, a toda ela.

O governo, como atualmente procede com as bandas de música militares, poderá alugar frações da "Guarda", ou mesmo ela completa, a particulares que pretendam realizar manifestações honestas e republicanas; e, com isto, obterá uma segura fonte de renda para o erário nacional.

Tudo indica que nela haja algumas centenas de praças e uma ou duas dúzias de oficiais conhecedores do entusiasmo inglês, francês, china e abexim para as manifestações a grandes personagens abexins, chineses, franceses e ingleses.

Toda a corporação congênere deve ser proibida pelo governo, e na "Guarda" é bom que o comandante admita algumas dezenas de homens robustos capazes de puxar carros de heróis ambulantes ou atrizes fascinadoras. Às vezes, temos visto o entusiasmo exigir esse glorioso serviço...

Se no mercado comum de homens robustos não se encontrarem músculos capazes para tão nobre atividade, é bom que sejam contratados alguns lutadores de luta romana, mesmo porque, procurando dar às manifestações um cunho de novidade, pode haver quem proponha levantar-se a carruagem dos "manifestados" de sobre o vulgar chão de asfalto".

Estas palavras vinham eivadas de tanta lógica que logo convenceram os governantes da Bruzundanga da verdade e da necessidade que encerravam; e não demorou um mês que a "Guarda" fosse organizada, apesar de se terem apresentado como candidatos a lugares dela quase todos os habitantes de Bosomsy.