Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/167

159
ESPUMAS FLUCTUANTES


Em seu seio escondi-rae... como á noite
Incauto colibri, temendo o açoiíe

Das iras do tufão,
A cabecinha esconde sob as azas,
Faz seu leito gentil por entre as gazas

Da rosa do Japão.

E depois... embalei-a cora meus cantos
Sftu passado esqueci... lavei com prantos

Seu lodo e maldição...
Mas um dia acordei.. E mal desperto
Olhei em torno a mim... — Tudo deserto.

Deserto o coração...

Ao vento, que gemia pelas franças
Por ella perguntei... de suas tranças

A flor que ella deixou...
Debalde... Seu logar era vasio..
E meu lábio queimado e o peito frio,

Foi ella que o queimou...

Minha alma nodoou no osculo immundo,
Bem como Satanaz — beijando o mundo —

Manchou a creação;
Simoun — crestou-me da esperança as flores.
Tormenta — ella afogou nos seus negrores

A luz da inspiração...