Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/219

ESPUMAS FLUCTUANTES
211


Como O templo, que o crime encheu de espanto,
Ermo e fechado ao fustigar do norte,
Nas ruinas desta alma a raiva geme...

E cresce o cardo — a morte.

Ciúme! dòr! sarcasmo! — Aves da noite′
Vós povoais-me a solidão sombria,
Quando nas trevas a tormenta ulula

Um uivo de agonia!...

É tarde! Estrellad′alva! o lago é turvo.
Dansam fogos no pântano sombrio.
Pede a Deus que dos céos as cataractas

Façam do brejo — um rio!

Mas não!... Somente as vagas do sepulchro
Hão de apagar o fogo que em mim arde...
Perdôa-me, senhora!... Eu sei que morro...
É tarde! É muito tarde!...

Hio de Janeiro, 3 de Novembro de 1869.