Abrir menu principal

Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/283

275
ESPUMAS FLUCTUANTES


CONSUELO


Oh! Consuelo de mi alma′
(Sajid.)

Nunca leste Consuelo, a pagina fulgente
Que George Sand, a loura, enciíeu de encanto e luz,
Este sonho, onde o céo da terra passa rente.
Onde o amor, a harmonia e a graça brincam nus?

Vem! dá-me a tua mão! voemos a Sorrento!
Por barco a phantasia... e flammula — teu véo!
Seja o cabello negro a vela solta ao vento!
Vem commigo sonhar a!tália, a noite, o céo!

A!tália! a!tália santa! a pátria peregrina

Do artista e do poeta! o magico paiz!

Lá, onde o amor da terra chamou-se — Fornarina.

Lá, onde o amor do céo chamou-se — Beatriz!