Abrir menu principal

Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/305

297
ESPUMAS FLUCTUANTES


A CRUZ DA ESTRADA


Tu que passai, ilcscobre-tc. Alli dorme
O furte que morreu.

A. Herculano.

Invides quia quie.

LUTHERO.

Caminheiro que passas pela estrada,
Seguindo pelo rumo do sertão,
Quando vires a cruz abandonada,
Deixa-a em paz a dormir na solidão.

Que vale o ramo do alecrim cheiroso
Que lhe atiras nos braços ao passar?
Vaes espantar o bando buliçoso
Das borboletas, que lá vão pousar.

É de um escravo humilde sepultura,
Foi-lhe a vida o velar de insomnia atroz;
Deixa-o dormir no leito de verdura
Que o Senhor, entre as relvas, lhe compoz.