Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/83

75
ESPUMAS FLUCTUANTES

Pallido moço — como o bardo errante —
Teu barco vôa na amplidão fugaz.
A nova Grecia quer um Byron novo...
Deus acompanhe o peregrino audaz.

E eu, cujo peito como uma harpa homerica
Ruge estridente do que é grande ao sopro.
Saúdo o artista, que ao talhar a gloria,
Pega da espada, sem deixar o escopro.
Da caravana guarda a arêa a pégada.
No chão da historia o passo teu verás...
Deus, que o Mazeppa nos steppes guia...
Deus acompanhe o peregrino audaz.

Recife, 1863.