Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/71

FANTINA

67

manso e manso para juncto da nhê-nhá. D. Luzia era caprichosa a respeito da quinta. Fôra casada com um homem que começou a fortuna por meio da botica. Foi muito acreditado; depois de casado, rico e afazendado, inda curava por favor.

Dispensou as drogas da pharmacia e plantou na quinta hervas e arvores medicinaes. D. Luzia com essa pratica continuava zelosamente o plantio e tratamento.

Applicava, também, em certos casos : nos escravos e nos aggregados da fazenda.

— Bonitos amores perfeitos !

— Que não estavam bons em razão do tempo ; e deu-lhe um.

— Agradecido !.. E fez uma cortezia tão accentuada que provocou o riso das mulatinhas que os seguiam de perto.

D- Luzia mandou as mucamas apanhar fructas.

A' esta ordem as mulatinhas desappareceram e d'ahi a pouco ouvia-se um chirlear vivo lá onde a arvore balançava a coma com o movimento que ellas faziam descendo e subindo. Frederico teve impetos de ir ver marmotas debaixo da arvore onde reinava a folia.

Um sol muito brilhante, rompendo as nuvens da manhã, dava uma claridade lisa e larga como um pregão em hasta publica.