Página:O cortiço.djvu/16


cama, uma cômoda de jacarandá, muito velha com maçanetas de metal amarelo já mareadas, um oratorio cheio de santos e forrado de papel de côr, um bahú grande, de couro crú tacheado, dois banquinhos de páo feitos de uma só peça e um formidavel cabide de pregar na parede, com a sua competente coberta de retalhos de chita.

O vendeiro nunca tivera tanta mobilia.

— Agora, disse ele á crioula, as coisas vão correr melhor para você. Você vae ficar fôrra; eu entro com o que falta.

Nesse dia ele saiu muito á rua, e uma semana depois appareceu com uma folha de papel toda escripta, que leu em voz alta á companheira.

— Você agora não tem mais senhor! declarou em seguida à leitura, que ella ouviu entre lagrimas agradecidas. Agora está livre! De ora avante o que você fizer é só seu e mais de seus filhos, se os tiver. Acabou-se o captiveiro de pagar os vinte mil réis á peste do cego!

— Coitado! A gente se queixa é da sorte! Elle, como meu senhor, exigia o jornal, exigia o que era seu!

— Seu ou não seu, acabou-se! E vida nova!

Contra todo o costume, abrio-se nesse dia uma garrafa de vinho do Porto, e os dois beberam-n’a em honra ao grande acontecimento. Entretanto, a tal carta de liberdade era obra do proprio João Romão, e nem mesmo o sello, que ele entendeu de pespegar-lhe em cima, para dar á burla maior formalidade, representava despeza porque o esperto aproveitára uma estampilha já servida. O senhor de Bertoleza não teve sequer conhecimento do facto; o