Página:Obras completas de Luis de Camões III (1843).djvu/173

174
ELEGIAS.


Todas nove nos braços o tomárão,
Criando-o co'o seu leite no seu leito:

As Artes e as Sciencias lh'ensinárão;
Inclinação divina lh'influírão
Ás virtudes moraes, que logo o ornárão.

Daqui nos exercidos o seguírão
Das armas no Oriente, onde primeiro
Hum soldado gentil instituírão.

Alli taes provas fez de Cavalleiro,
Que, de Christão magnanimo e seguro,
A si mesmo venceo por derradeiro.

Despois, ja Capitão forte e maduro,
Governando toda a Aurea Chersoneso,
Lhe defendeo co'o braço o debil muro.

Porque vindo a cercá-la todo o pêso
Do poder dos Achens, que se sustenta
De alheio sangue, em furia todo acceso;

Este só que a ti, Marte, representa,
O castigou de sorte, que vencido
De ter quem vivo fique se contenta.

E logo qu'este Reino defendido
Deixou, segunda vez com maior glória
Para o ir governar foi elegido.

Mas não perdendo ainda da memoria
Os amigos o seu govêrno brando,
Os imigos o damno da victoria;

Huns com amor intrinseco esperando
Estão por elle, e os outros congelados
O estão com frio medo receando.

Vêde pois se serião debellados
Por seu claro valor, se lá tornasse,