Página:Obras completas de Luis de Camões II (1843).djvu/251


177}
Outro bem, outro amor, outro desejo;
Como inimiga, emfim, de ti fugindo.
  Mas o misero amante, que o sobejo
Mal empregado amor lhe defendia
Ter de tamanha fé vergonha ou pejo;
  Da falsífica Nympha não sentia
Senão que o frio do gelado Rheno
Os delicados pés lhe offenderia.
  Ora se tu vês claro, amigo Almeno,
Que d'Amor os desastres são de sorte,
Que para matar basta o mais pequeno,
  Porque não pões hum freio a mal tão forte,
Qu'em estado te põe, que sendo vivo,
Ja não se entende em ti vida nem morte?
            ALMENO.
  Agrario; se do gesto fugitivo,
Por caso de fortuna desastrado,
Algum'hora deixar de ser captivo;
  Ou sendo para as Ursas degradado,
Adonde Boreas tẽe o Oceano
Co'os frios Hyperboreos congelado;
  Ou donde o filho de Climene insano,
Mudando a côr das gentes totalmente,
As terras apartou do trato humano;
  Ou se ja por qualquer outro accidente
Deixar este cuidado tão ditoso,
Por quem sou de ser triste tão contente;
  Este rio, que passa deleitoso,
Tornando para traz, irá negando
Á natureza o curso pressuroso.
  As cabras por o mar irão buscando{178}