Abrir menu principal

Página:Ultimos Sonetos.pdf/190

184
ULTIMOS SONETOS


Neste mundo tão tragico, tamanho,
Como eu me sinto fundamente estranho
E o amor e tudo para mim avaro!...

Ah! como eu sinto compungidamente,
Por entre tanto horror indifferente,
Um frio sepulchral de desamparo!