Pois que nada que dure, ou que, durando

(Pois que nada que dure, ou que, durando)
por Ricardo Reis


Pois que nada que dure, ou que, durando,
Valha, neste confuso mundo obramos,
E o mesmo útil para nós perdemos
      Connosco, cedo, cedo.

O prazer do momento anteponhamos
À absurda cura do futuro, cuja
Certeza única é o mal presente
      Com que o seu bem compramos.

Amanhã não existe. Meu somente
É o momento, eu só quem existe
Neste instante, que pode o derradeiro
      Ser de quem finjo ser?

16-3-1933