Abrir menu principal
Quando será?!
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Quando será?!.



Quando será que tantas almas duras
Em tudo, já libértas, já lavadas
Nas aguas immortaes, illuminadas
Do sol do Amor, hão de ficar bem puras?

       5Quando será que as limpidas frescuras
Dos claros rios de ondas estrelladas
Dos céos do Bem, hão de deixar clareadas
Almas vis, almas vans, almas escuras?


Quando será que toda a vasta Esphéra,
       10Toda esta constellada e azul Chiméra,
Todo este firmamento estranho e mudo,

Tudo que nos abraça e nos esmaga,
Quando será que uma resposta vaga
Mas tremenda, hão de dar de tudo, tudo?!