Que esperais, esperança? Desespéro

(Que esperais, esperança? Desespéro)
por Luís Vaz de Camões
Poema agrupado posteriormente e publicado em Obras completas de Luis de Camões (1843, v. II)

Que esperais, esperança?  Desespéro.
Quem disso a causa foi?  Hũa mudança.
Vós, vida, como estais?  Sem esperança.
Que dizeis, coração?  Que muito quero.

Que sentis, alma, vós?  Que amor he fero.
E, em fim, como viveis?  Sem confiança.
Quem vos sustenta, logo?  Huma lembrança.
E só nella esperais?  Só nella espero.

Em que podeis parar?  Nisto em que estou.
E em que estais vós?  Em acabar a vida.
E ténde-lo por bem?  Amor o quer.

Quem vos obriga assi?  Saber quem sou.
E quem sois?  Quem de todo está rendida.
A quem rendida estais?  A hum só querer.