Saudoso já deste verão que vejo

(Saudoso já deste verão que vejo)
por Ricardo Reis
Texto publicado por Fernando Pessoa na primeira edição da revista Athena, outubro de 1924, p. 19-24.
HSArchive.svg A Wikisource possui mais versões deste texto


Saudoso já deste verão que vejo,
Lágrimas para as flores dele emprego
   Na lembrança invertida
   De quando hei-de perdê-las.
Transpostos os portais irreparáveis
De cada ano, me antecipo a sombra
   Em que hei-de errar, sem flores,
   No abismo rumoroso.
E colho a rosa porque a sorte manda.
Marcenda, guardo-a; murche-se comigo
   Antes que com a curva
   Diurna da ampla terra.