Sonetos (Antero de Quental, 1880)/Anima mea

Anima mea
por Antero de Quental
Poema publicado em Sonetos (1880).
ANIMA MEA

Estava a Morte ali, em pé, diante,
Sim, diante de mim, como serpente,
Que dormisse na estrada e de repente
Se erguesse sob os pés do caminhante.

Era de vêr a funebre bacchante!
Que torvo olhar! que gesto de demente!
E eu disse-lhe: «Que buscas, impudente,
Loba faminta, pelo mundo errante?»

— Não temas, respondeu (e uma ironia
Sinistramente estranha, atroz e calma,
Lhe torceu cruelmente a bôca fria).

Eu não busco o teu corpo... Era um tropheu
Glorioso demais... Busco a tua alma —
Respondi-lhe: «A minha alma já morreu!»