Abrir menu principal
Uma confissão
por Luís Delfino
Publicada em Rosas Negras.


Que eu não pensava em ti? Quem dizer ousa?
Queres saber que fiz pelo caminho?
Em doidas voltas uma mariposa
Seguia a companheira: ao vento um ninho

Caiu piando: saltei a água, que pousa
Por entre o jarro, o lírio, e o rosmaninho:
Cada flor me falou de ti baixinho;
E o céu não me falava doutra cousa.

Levava à boca o acre perfume e a nota
Do último beijo; o cheiro do teu seio,
E o de erva ali por nós pisado à grota,

Onde rasto deixara alguém, que veio
Breve noite de amor já tão remota...
Deuses?... não sei quem foi, dormir, — eu creio...