Abrir menu principal

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo/CLVIII

Vida e Feitos D' El-Rey Dom João Segundo por Garcia de Resende
Da entrada dos christãos na corte d' el-rey de Congo


O dia que os christãos entraram na corte foram de gente sem conto recebidos com estrondos e festas e foram logo aposentados em hũas grandes e boas casas muyto providas de todallas cousas necessarias. E o recebimento foy que pera o capitam e frades mandou el-rey muitos gentis homens feitos momos de muitas maneiras, e apos elles infindos archeiros, e depoys lanceiros, e outros com outras armas de guerra, e tambem molheres sem conto todos em batalhas repartidos, e com muytas trombetas de marfim, e atabaques, e outros estormentos cantando todos muitos louvores d' el-rey de Portugal, e contando suas grandezas com muito grande alegria; e nesta ordem chegaram a el-rey, que estava em hum terreiro de seus paços acompanhado de muita infinda gente e posto em hum estrado rico e nu da cinta pera cima com hũa carapuça de pano de palma e ao hombro hum rabo de cavalo guarnecido de prata e da cinta pera baixo cuberto com panos de damasco que lhe el-rey de cá mandara e no braço esquerdo hum barcelete de marfi; e o capitam chegou a ele e lhe beijou a mão com as cerimonias de Portugal, e lhe deu as encomendas d' el-rei e disse de sua parte outras cousas com que el-rey de Congo recebia muito prazer; e em sinal d' agradecimento tomou terra nas mãos e a correo pelos peitos do capitam, e depois pelos seus dele mesmo rey que segundo seu custume he o mayor acatamento que os reys podem fazer. E sobre ysto todolos de sua corte fizerão grandes festas, e levantavam todos as mãos contra o mar como que mostravam Portugal dizendo com grandes gritas "Viva o rey e senhor do mundo e Deos o acrecente poys he tam amigo d' el-rey nosso senhor !". E depois de muitas festas passadas el-rey com grandes honrras despedio o capitam.

E como o capitam e christãos descansaram do caminho tornaram a el-rey com o presente e todas as cousas muito concertadas e as poseram em hũa muito boa casa a que el-rey logo veo com certos senhores e fidalgos, e segundo se afirmava alguns deles podiam servir el-rey com cem mil homens; e foram-lhe logo mostrados os ornamentos e cousas da igreja cada hũa per si com que mostrava tanta alegria e prazer que muitas vezes se levantava do estrado e abraçava o capitam e o levantava nos braços mostrando-se o mais bem aventurado rey do mundo e que nunca poderia pagar a el-rey de Portugal tamanha merce. E depois de mostradas as cousas da ygreja e o presente, o capitão lhe mostrou o que elle mandara pedir: os pedreiros e carpinteiros com suas ferramentas e os lavradores com seus aparelhos, e as molheres pera amassar com suas bacias e caldeiras, e depois hum cavalo concertado muito bem. E o presente pera sua pessoa era brocado de pello e rasos em peça, e muitas peças de ricas sedas de cores e escarlatas e olandas e rabos de cavalo guarnecidos de prata que ele muito estimava e huns ruços pombos estimava mais, e assi chocalhos e cascaveis e vestidos ricos ja feitos pera elle e pera a raynha; e lhe ofereceo tudo da parte d' el-rey com muito boas palavras dizendo que daquellas cousas avia muitas em seus reinos, e outras doutras sortes com que folgaria de lhe aproveitar quando elle as quisesse. E el-rey espantado da riqueza e novidade delas respondeo que sendo grande rey e senhor de muitas terras lhe parecia que nam tinha nada pera poder servir tamanhas merces. E o capitam se lhe ofereceo com toda a frota e gente della pera o servirem no que ele mandasse tee morrerem porque asi o trazia por mandado d' el-rey; e ele com muito prazer e alegria se abaixava e com as mãos tocava a terra; e depois de tudo recebido disse aos senhores que com ele estavam: "Certamente o rey en que tanta virtude, tanta bondade, e tanta nobreza há, este só he o senhor do mundo e merece de o servirem porque sem lho merecer me faz tantas merces, vede que fara aos que o servirem"; e todos lhe diziam que era assi, e que elle lhe era em grande obrigaçam. E logo mandou chamar todos os senhores e fidalgos e lhe mostrou tudo com grande prazer rogando-lhe que todos se alegrassem com tanta honrra sua pois de tam alongadas terras e com tantos perigos e mortes, e tamanhas despesas me manda tam ricas cousas hum tal rey que eu nunca acabarey de saber e deixarey por bençam a meus filhos que o tenham por senhor. E disse logo ao capitão perante todos que todas as cousas que visse e lhe parecessem que seriam de contentamento d' el-rey as tomasse de graça e lhas levasse, porque com quanto tinha desejava de o servir e assi o despedio.