Abrir menu principal
Visionarios
por Cruz e Sousa
Poema agrupado posteriormente e publicado em Ultimos Sonetos (1905).
Texto com ortografia atualizada disponível em Visionários.



Amam batalhas pelo mundo adiante
Os que vagam no mundo visionarios,
Abrindo as aureas portas de sacrarios
Do Mysterio soturno e palpitante.

       5O coração flammeja a cada instante
Com brilho estranho, com fervores vários,
Sente a fébre dos bons missionarios
Da ardente cathechese fecundante.


Os visionarios vão buscar frescura
       10De agua celeste na cisterna pura
Da esperança por horas nebulosas.....

Buscam frescura, um outro novo encanto...
E livres, bellos atravez do pranto,
Fallam baixo com as almas mysteriosas!