Abrir menu principal
A Teodoro de Banville
por Charles Baudelaire, traduzido por Delfim Guimarães
Poema publicado em As Flores do Mal


Por tal modo agarraste a Deusa pela crina,
Com ar dominador, num gesto sacudido
Que se alguém presenceia o caso acontecido
Poderia julgar-te um rufião de esquina.

Com o límpido olhar, — precoce e ardente vista,
Audaz, vais expandido o orgulho de arquitecto
Em nobres produções, de traço tão correcto,
Que deixam futurar um prodigioso artista.

O nosso sangue, Poeta, esvai-se dia a dia!...
Acaso, do Centauro, a túnica sombria,
— Qie e, fúnebres caudais as velas transformava —

Três vezes se tingiu com as barbas subtis
D'aqueles infernais, monstruosos, répteis,
Que Hércules, em crença, a rir, estrangulava?