Abrir menu principal
Aos meus Filhos
por Augusto dos Anjos


Na intermitência da vital canseira.

Sois vós que sustentais (Força Alta exige-o...)

Com o vosso catalítico prestígio,

Meu fantasma de carne passageira!


Vulcão da bioquímica fogueira

Destruiu-me todo o orgânico fastígio.

Dai-me asas, pois, para o último remígio,

Dai-me alma, pois, para a hora derradeira!


Culminâncias humanas ainda obscuras,

Expressões do universo radioativo,

Íons emanados do meu próprio ideal,


Benditos vós, que, em épocas futuras,

Haveis de ser no mundo subjetivo,

Minha continuidade emocional!


(Outras Poesias, 16)