Abrir menu principal

Através das romãzeiras

Campesinas por Cruz e Sousa
Através das romãzeiras
Poema agrupado posteriormente e publicado em O Livro DerradeiroCampesinas


Através das romãzeiras
E dos pomares floridos
Ouvem-se as vezes ruídos
E bater d’asas ligeiras.

São as aves forasteiras
Que dos seus ninhos queridos
Vêm dar ali os gemidos
Das ilusões passageiras.

Vêm sonhar leves quimeras,
Idílios de primaveras,
Contar os risos e os males.

Vêm chorar um seio de ave
Perdida pela suave
Carícia verde dos vales.