Abrir menu principal
Campesinas por Cruz e Sousa
De manhã tu vais ao gado
Poema agrupado posteriormente e publicado em O Livro DerradeiroCampesinas


De manhã tu vais ao gado
A cantar entre as giestas,
Com tuas graças modestas,
Correndo e saltando o prado.

E a veiga e o rio e o valado
Que todos dormem as sestas
Acordam-se ante as honestas
Canções desse peito amado.

As aves nos ares gozam,
Entre abraços se desposam,
No mais amoroso enlace.

E as abelhas matutinas
Que regressam das boninas
Voam, te em torno da face.