Diferenças entre edições de "Til/I/XXI"

7 255 bytes removidos ,  18h40min de 24 de maio de 2012
feito redirecionamento para Til/II/VI
(Importação automática de artigos)
 
( feito redirecionamento para Til/II/VI)
 
#Redirecionamento [[Til/II/VI]]
 
{{navegar
|obra=[[Til]]
|autor=José de Alencar
|seção=Primeiro Volume, Capítulo XXI: O bacorinho
|anterior=[[Til/I/XX|Primeiro Volume: Capítulo XX]]
|posterior=[[Til/I/XXII|Primeiro Volume: Capítulo XXII]]
|notas=
}}
 
No inverno costumam passar por aquelas paragens ranchos de caçadores que demandam o sertão para a montearia das antas e veados que ainda abundam nos campos de Araraquara e Botucatu.
 
Parecia uma dessas partidas de caça, o magote de caipiras que parou fronteiro à venda, e para lá encaminhou-se depois de combinarem entre si os companheiros.
 
Um deles, que parecia ter sobre os camaradas tal ou qual preeminência, adiantou-se enquanto os outros atravessavam muito vagarosamente a testada da casa.
 
— Viva, patrício! Queremos arranchar aqui para almoçar!
 
— Pois sim! respondeu o Tinguá com a sua voz sorneira sem mexer-se do balcão onde continuava debruçado.
 
Habituados certamente a esse modo de acolhimento, os caipiras foram por si tomando conta da casa e aboletando-se na pousada. Uns se estiravam nas camas, e outros já sentados no banco junto à mesa esperavam o almoço com uma fome de caçador.
 
— Sô Filipe, venha alguma coisa que se masque, para despregar a barriga do espinhaço! exclamou um dos companheiros.
 
— E também que se chupite, para untar os gorgomilhos, e consolar o peito! acudiu outro.
 
— Aí vem, camaradas, não se assustem! retorquiu Filipe.
 
Dirigindo-se ao balcão, pesquisou ele com os olhos nas prateleiras e por todo o âmbito da taberna, o que havia para matar a fome: e sempre arranjou-se com um velho queijo de Minas, algumas rapaduras e farinha de milho.
 
— Pode nos das café? perguntou ao Chico.
 
— Há de se poder! tornou o vendeiro.
 
Rodearam os caipiras a mesa e devoraram as provisões, depois de terem molhado a garganta com um copázio de boa cachaça de Piracicaba, a fim de escorregar-lhes bem o bocado, e não os engasgar.
 
Na extremidade oposta, tomava o Gonçalo seu café, observando os caçadores com a curiosidade natural à vida monótona do interior, mas também com um recacho de arrogante fatuidade. Sem dúvida tinha-se ele por um grande personagem, incógnito àqueles pobres diabos.
 
— Isso há de ser tarde já! disse olhando céu.
 
Era um pretexto para travar a conversa; mas os outros com a boca cheia não estavam dispostos à palestra. Apenas o Filipe correspondeu com um meneio de cabeça.
 
Virou o Gonçalo a palangana de café e acendeu o pito.
 
— É servido? perguntou oferecendo fogo ao caipira.
 
— Nada, obrigado.
 
— Ainda que mal pergunte, o patrício vem de longe?
 
— De Campinas!
 
— E anda caçando? Por estas bandas há muito veado e paca: mas como os caititus este ano, nunca se viu: é mesmo uma praga!
 
— Nós cá andamos no rasto, mas é de outra caça! atalhou um dos caipiras a rir.
 
— Viemos desencovar uma onça! acudiu outro.
 
— E é suçuarana!
 
— Qual! Tigre verdadeiro!
 
Fizeram coro os caipiras na gargalhada que despertara o dito do companheiro. Não compreendendo a pilhéria, o Gonçalo estava a olhá-los meio desconfiado e com um riso insosso.
 
— O patrício não lobriga?
 
— Por vida, que não! tornou o Gonçalo. Ainda que Suçuarana é o sobrenome cá do degas; por causa de ser malhado como a bicha. Não vê?...
 
E mostrou as manchas da cara.
 
— Sem falar da munheca!... Talvez o amigo não acredite; mas onde a vê, já pegou queda de braço com uma; e mais era um bichão da altura daquela porta, sem exageração! Agora quanto às risadas dos patrícios, a falar verdade não avento!
 
— Já vê que é caça gorda.
 
— É cá uma história!
 
— Por força que há de conhecer um tal Jão Bugre?
 
— Conheço bem!
 
— Pois aí está a bicha fera que viemos desencovar. Parece que a furna dele fica por aqui perto. Não podia nos dar notícia?
 
— Mas então os camaradas andam-lhe na pista?
 
Entrava o Chico Tinguá, com a pichorra de café e as palanganas que deitou sobre a mesa, recostando-se depois ao portal da entrada, com a perna trançada e a mão no quadril.
 
— Não ouviu falar no Aguiar, do Limoeiro, não?... Um fazendeiro, que o tal Bugre arrumou com duas facadas, há de andar por uns dois meses?
 
— Tenho uma idéia, replicou o Gonçalo.
 
— O negócio deu brado, porque o homem era rico e andava sempre com uma ruma de capangas. Mas Bugre fez-lhe as contas.
 
— É um temível!
 
— Marcado como ele só!
 
— Nem por isso! observou o Pinta. Mas então é por causa dessa morte que os camaradas vêm prendê-lo?
 
— O filho do Aguiar dá dois contos a quem filiar o meco.
 
— Não digo que não!
 
— Se quer entrar na festa?
 
Relanceando um olhar ao Tinguá, que parecia cochilar encostado à ombreira da porta, respondeu o Gonçalo com frouxidão:
 
— Nada; tenho obra mais fina.
 
— Quem sabe se o senhor conhece o Bugre?
 
-Pois que dúvida!
 
— Será mesmo o durão que dizem?
 
— É conforme. Eu cá não conto com ele.
 
— Hum!...
 
— O senhor bem podia nos dar alguma inculca do bicho?
 
— Cá o amigo Chico é quem há de saber por onde anda o cujo. Oh! psiu!...
 
— Nhô Pinta... Ah! Nhô Gonçalo! Acudiu o Tinguá querendo engolir as primeiras palavras escapadas.
 
— Não sabe que rumo levou o Jão?
 
— Tanto como mecê.
 
— Ora, ande lá.
 
— Ele aparece aqui, e arrancha tal e qual como os outros; não conta onde pousa; nem a gente indaga da vida alheia.
 
— Pois tocava uma boa maquia a quem nos pusesse no rasto da onça. Cem bicos!
 
Nesse momento um bacorinho de pelo ruivo, embestegava com um trote miúdo, mas ligeiro, pela cozinha, e atravessou toda a casa até a pousada, onde conversava a capangada. Aí começou a fossar nas pernas do Chico Tinguá, que, arrancando-se à balorda posição, desfechou no importuno animal um pontapé.
 
— Arre, patife.
 
Deu-se por advertido o bacorinho, que imediatamente enfiou outra vez pela venda e foi sair no quintal, onde pôs-se a grunhir com o focinho ao vento e os olhos na porta da cozinha.
 
— Pelos modos lá o homem de Campinas está com gana mesmo no Bugre? observou o Gonçalo que não tirava os olhos do Chico.
 
Pudera não! Da maneira por que arranjou-lhe o pai!
 
— Xô!... Eh! Baia!... xô!... Diabo de mula canhambola!
 
Partiam vozes do vendilhão, que fazia um grande escarcéu com braços e pernas, a fim de espantar uma besta muar que sua imaginação figurava estar furando a cerca do pasto, ao lado direito da casa. Entretanto o inocente animal assim caluniado pelo dono restolhava pacatamente a grama tosada, em companhia de uma porca e um bacorinho preto, de tamanho igual ao do outro.
 
Afinal atirou-se o Chico para a cerca, sempre a enxotar o burro, e quebrando o canto desapareceu.
 
O Gonçalo, a quem não escapara esse manejo, ergueu-se pronto da mesa, e, correndo ao ângulo da casa, observou o campo oculto pela quina da parede.
 
O bacorinho trotava pela vereda que ia dar ao mato, e seguindo-lhe as pegadas, o Chico Tinguá estugava o passo.
 
Riu-se o Gonçalo, e do terreiro disse ao Filipe:
 
O patrício faz favor?
 
[[Categoria:Til|Primeiro Volume, Capítulo 21]]