Página:A Estrella do Sul.pdf/178

172
VIAGENS MARAVILHOSAS

James Hilton tinha-se desempenhado muito bem do seu mandato, e parecia ter escolhido perfeitamente tudo quanto podia ser necessario á sociedade. Tinha elle bastantes fumaças de ser colono muito experiente, de modo que para fazer alarde da sua superioridade, mais do que por espirito de camaradagem, era capaz de cair em dar conselhos aos companheiros a respeito dos usos do Veld.

Mas Annibal Pantalacci nunca deixava de intervir n'essas occasiões e de lhe cortar a palavra.

— Que necessidade tem o senhor de ensinar ao Frenchman o que sabe? dizia-lhe elle a meia voz. Tem muito empenho em lhe fazer ganhar o premio da corrida ? Se eu estivesse no seu logar, guardava para mim o que soubesse e não abria o bico.

E James Hilton respondia, olhando para o napolitano com sincera admiração:

— É exacto o que o senhor está a dizer... é exacto!... E eu que me não lembrava d'isso!

Cypriano por sua parte não deixára de advertir lealmente Friedel do que soubera a respeito dos cavallos do paiz ; mas encontrou-se com um jactancia e teimosia sem limites. O allemão não dava ouvidos a cousa alguma, e só queria governar-se pela sua cabeça. Comprou portanto o cavallo de menos idade e mais fogoso que pôde encontrar, — exactamente aquelle que Cypriano tinha rejeitado, e tratou principalmente de arranjar apparelhos de pesca, a pretexto de que depressa se havia de aborrecer de comer caça.

Finalmente concluiram-se os preparativos para se pôrem a caminho, e a caravana formou-se na ordem que vamos indicar.

Ia na frente o carrão, puxado por doze bois ruços e pretos, debaixo do supremo mando de Bardik, que umas vezes caminhava junto dos robustos animaes, de aguilhada em punho, e