Abrir menu principal

Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/155

147
ESPUMAS FLUCTUANTES


ODE AO DOUS DE JULHO


(recitada no THEATKO DK S. PAULO)

Era no Dous de Julho. A pucjna immenaa
Travára-se nos cerros da Bahia...
O anjo da morte pallido cosia
Uma vasta mortalha em Pirajá.

— Neste lençol tão largo, tão extenso,
Como um pedaço roto do infinito...

O mundo perguntava erguendo um grito′.

— Qual dos gigantes morto rolará? I...

Debruçados do céo... a noite e os astros
Seguiam da peleja o incerto fado...
Era a tocha — o fuzil avermelhado!
Era o Circo de Roma — o vasto chão!