Abrir menu principal

Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/177

169
ESPUMAS FLUCTUANTES


os ANJOS DA MEIA NOITE


PH0T0GRÀPHIA9

1

Quando a insomnia, qual lívido vampiro,
Como o archanjo da guarda do Sepulchro,

Vela á noite por nós,
E banha-se em suor o travesseiro,
E além geme nas franças do pinheiro

Da briza a longa voz...

Quando sangrenta a luz no alampadario
Estala, cresce, expira, após resurge,

Como uma alma a penar,
E canta aos guizos rubros da loucura
A febre — a meretriz da sepultura —

A rir e a soluçar...

10