Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/180

172
ESPUMAS FLUCTUANTES


2« SOMBRA

BARBORA

Erguendo o cálix, que o Xerez perfuma,
Loura a trança alastrando-lhe os joelhos,
Dentes niveos em lábios tão vermelhos,
Como boiando era purpurina escuma;

Um dorso de Walkyria... alvo de bruma,
Pequenos pós sob infantis artelhos,
Olhos vivos, tão vivos, como espelhos,
Mas como elles também sem chamma alguma;

Garganta de um pallor alabastrino,
Que harmonias e musicas respira...
No lábio — um beijo... no beijar — um hymno;

Harpa eólia a esperar que o vento a fira,

— Um pedaço de mármore divino...

— É o retrato de Barbora — a Hetaíra. —

3* SOMBRA

ESTIIHR

Vem! no teu peito cálido e brilhanlu
O nardo oriental melhor transpira!...