Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/260

252
ESPUMAS FLUCTUANTES


O albor de Beatriz no imaginar do Dante?
O olhar da Pythonisa em tripode gigante!
Do mundo — Anjo da guarda! enorme cherubim f

Ergueuse!... Olhou de rodaosplainosdo universo...
No peito das nações seu braço longo immerso,
Palpou-lhe o estrepitar do estoso coração!...
Génio e santa!.., a mulher um grito ergueu profundo,
.\briu braços de mão,p′ra acalentar o mundo.
A/.ns de serafim — p′ra abrigar a amplidão.

Rugiram de terror ao ver-lhe o rir sublime
O satrapa, o chacal, a tyrannia, o crime...
O abutre, o antro, o mocho, o erro, a escravidão!
Disse a gruta p′ra o céo: — Que deusa é esta

ingente?! —
O espaço respondeu: — É a diva do Occidente!...
A consciência do mundo! o Eu da Creação! —

E quando Ella surgiu... — os pólos se abraçaram!

( ) Zeiiith 6 o Nadir — surpresos se escutaram!

O Norte — ouviu chorando o soluçar do — Sul!

O abafado estertor do servo miserando

Da deusa no clarim irigante reboando,

Clamou da terra veide — ao firmamento azul!...

Unia noite... no chào da Grécia peregrina

A deusa ajoelhou... da poeira divina

O fantasma de Homero então viram surgir!