Abrir menu principal

Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/307

299
ESPUMAS FLUCTUANTES



Basta de covardia! a hora sôa...
Voz ignota e fatídica revoa,

Que vem... De onde? De Deus.
A nova geração rompe da terra
E, qual Minerva armada para a guerra,

Pega a espada... olha os céos.

Sim, de longe, das raias do futuro,
Parte un grito, p′ra os velhos surdo, obscuro,

Mas para os moços, não!
É que em meio das luctas da cidade,
Não ouvem o clarim da Eternidade,

Que troa na amplidão.

Quando as praias se occultam na neblina,
E como a garça, abrindo a nza latina,
Corre a barca no mar,