Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/308

300
ESPUMAS FLUCTUANTES


Se então sem freios se despenha o norte,
É iiupossivel parar... volver é morte...
Só lhes resta marchar.

E o povo é como a barca em plenas vagas,
A tyrannia é o tremedal das plagas,

O porvir-a amplidão.
Homens! esta lufada que rebenta
É o furor da mais lobrega lormenta...

—!luge a revolução.

E vós cruzaes os braços... Covardia!
E murmuraes com fera hypocrisia:

— É preciso esperar...
Esperar? mas o que? que a populaça.
Esse vento que thronos despedaça,

Venha abysmos cavar?

Ou quereis, como o satrapa arrogante,
Que o porvir, na ante-sala, espere o instante

Em que o deixeis subir?
Oh! parae a avalanche, o sol, os ventos,
O oceano, o condor, os pensamentos..

Porém nunca o porvir!

Meu Deus! da negra lenda (jue se escreve
Com o sangue de um Luiz, no clião da Greve,

Não resta mais um som!
Em vão nos deste, p′ra maior lembrança,