Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/323

315
ESPUMAS FLUCTUANTES


Meiga sorria aos cânticos festivos
Do despertar do soinno!

E a luz subia... e o sabiá cantava

Á margem da corrente!
Dizia a borboleta — eu dou-te os voos...
As folhas verdes — aqui tens frescura;
A flor dos bosques... eis o meu perfume...
Eu sou teu echo — a sonorosa gruta;
Sou teu espelho — a limpida corrente;
Os anilados céus — guardo teu ninho;

O sol — vem procurar-me!...
E a flor, e a borboleta e a folha verde,
E a torrente, e o sol e o céu e a gruta
Eram d′ave inspirada — a immensa orchestra

No concerto do amor!...

E o sabiá cantava!...
Na larangeira o galho estremecia.
Como se o orvalho lhe afagasse as flores,
Ou aquella voz, nas dulias harmonias,

A raiz lhe tocasse...
Depois eu vi-o, as pennas sacudindo,

Ainda humedecidas
De sereno e de luz, cantando sempre —
Bater... bater as azas anciosas...
Voar... voar... até sumir-se ao longe

Ultimo som e nota!