Página:Espumas fluctuantes (corr. e augm.).djvu/40

32
ESPUMAS FLUCTUANTES

Eu vi de repente captivo, submisso
Rolar prisioneiro
                  N′um laço de fita.

E agora enleiada na tenue cadêa
Debalde minh′alma se embate, se irrita...
O braço que rompe cadêas de ferro,
Não quebra teus élos,
                  Ó laço de fita!

Meu Deus! As phalenas têm azas de opala,
Os astros se libram na plaga infinita.
Os anjos repousam nas pennas brilhantes...
Mas tu... tens por azas
                  Um laço de fita!

Ha pouco voaras na célere walsa,
Na walsa que anceia, que estúa e palpita.
Por que é que tremeste? Não eram meus labios...
Beijava-te apenas...
                  Teu laço de fita.

Mas ai! findo o baile, despindo os adornos
N′alcova onde a vela ciosa... crepita,
Talvez da cadêa libertes as tranças,
Mas eu... fico preso
                  No laço de fita.