Página:Fantina- (scenas da escravidão).pdf/99

XXIV

Fantina chegando á sala fallou em roupas. D. Luzia pedia licença a Frederico, dizendo ter de fazer uns arranjos.

Alli enrolando um cigarro elle olhava seriamente para um sabiá muito arrepiado que sacodia as azas dentro da gaiola.

Teve vontade de soltal-o ; achava-se tão feliz que queria ser generoso dando a liberdade áquelle cantor que havia annos carpia na prisão os seus amores já emergidos nas sombras do occaso.

Foi para o quarto e lá estirado na cama dizia estar quebrado do calor. D. Luzia no bulir em roupas de certo babá achou uma Gran-Cruz do Habito de S. Bento de Aviz, que fôra do seu defunto marido, e mandou Fantina mostral-a a Frederico. A mulatinha correu os olhos pela sala e vendo-a vasia, comprehendeu logo que elle estava no quarto. Chegada à porta teve vergonha de bater, porque dentro o catre estalava.

— Dá licença ? disse ella meio aturdida.