Página:O Barao de Lavos (1908).djvu/108


sombria. Mas então, por isso mesmo que caíra fraco, o vicio; longe de ser para elle, como para as organísações sadias, uma simples derivação accidental de goso na normalidade physiologica da sua vida, dominava-o inteiro, montava-o, torcia-o, fundia-lhe o cerebro, fazia-lhe crescer no sangue uma obsessão de fogo... e o pobre pede- rasta lá voltava logo á noite, poucas horas decorridas, a fechar numa segunda scena de erotismo a parenthesiação do seu desejo.

A plenitude de vida, a arrogancia genital, a evolução organica ao máximo, próprias dos 32 annos, mantinham no barão ainda fortes e dominantes as tendências naturaes da virilidade. Elle tinha por emquanto junto do ephebo os mesmos appetites de penetração e de posse que o homem sente de ordinário para com a mulher. Todavia, em raros momentos de vertigem, ao contacto da sua carne com aquell'outra virilidade impetuosa e fresca, percorria-lhe os músculos, fugidio, breve, um movimento effeminado; faiscava-lhe no espirito uma pregustação de prazer que tivessse por base a passividade, o abandono; entrava de suppurar-lhe da vontade uma solicitação em escôrço de se entregar, de ser possuído, gosado, de ser femeado em summa. O que era, a um tempo, corollario do seu temperamento, e signal- pathognomico do finalisar d'uma raça inútil, do agonisar duma familia que vinha assim desfazer-se, pôdre das ultimas aberrações e das ultimas baixezas, na pessoa do seu representante derradeiro.

Era como o inicio da formação d’um edema de natureza moral, purulento, molle, crescendo traiçoeiramente sem dor e sem pruridos, abeberando-se farto e rápido na degradativa essencia