Página:O Barao de Lavos (1908).djvu/110


tula, despedia-o; e seguia para casa, com as mãos a escaldar, o cerebro pesado, a came insatisfeita a emperrar-lhe o passo, contrariada; mas radiante, vaidoso, feliz por se haver dominado, por haver podido mais uma vêz ser forte.

E mordia-o uma tentação de contar o seu intimo triumpho aos transeuntes com quem cru- zava. E, junto da esposa, desentranhava-se n’uma caudal de sinceros acarinhamentos.

Ultimamente mesmo tinham dado em explodir mais a miude estes movimentos salutares na degenerescencia mórbida do barão. Havia até dois garotos que lhos exploravam habilmente. Sabia cada um onde era provável encontral-o de noite. Ahi o esperavam. Acercavam-se -lhe, despertavam-lhe a luxuria. E depois, ao vêrem-n’o subjugado e quente, demoravam propositadamente os prelúdios da entrevista, a dar tempo, a vêr... Na demora acontecia que o barão, se um frio de pejo ou de cansaço o percorria, reconsiderava e mandava-os embora sem se servir d’elles, mas não sem lhes pagar. E os lascarmos partiam lestos, a rir, numa gratidão troçada, sem perceberem como podésse haver d estas abstenções enigmáticas e generosas.

É que havia uma outra causa, além dos rebates d’uma dignidade bruxuleante, n’estes reviramentos louváveis do barão. A sua imaginação excessiva, d’uma lucidez vehemente, prejudicava-lhe em bôa parte a sensibilidade. A cada momento elle ideava que ia gosar d’um certo modo; a sua phantasia azougada e pittoresca levantava, encastellava entre elle e a realidade das coisas umas antecipações de prazer mira-