Abrir menu principal

Página:Phalenas.pdf/213

— 209 —

As mãos do velho e as tranças do menino.
Ergue-se Antero, e frio e venerando,
Olhos no céo, exclama: «Que destino!
Murchar-lhe, viva, a rosa da ventura;
Morta, insullar-lhe a paz da sepultura!»

XCV


«Morta! —Sim! —Ah! senhor! se arrependido
Posso alcançar perdão, se com meus prantos,
Posso apiedar-lhe o coração ferido
Por tanta mágoa e longos desencantos;
Se este infante, entre lagrimas nascido,
Póde influir-me os seus affectos santos...
É meu filho, não é? perdão lhe imploro!
Veja, senhor! eu soffro, eu creio, eu choro!»

XCVI


Olha-o com frio orgulho o velho honrado;
Depois, fugindo aquella scena estranha,
Entra em casa. O poeta, acabrunhado,
Sobe outra vez a encosta da montanha;
Ao cimo chega, e desce o opposto lado
Que a vaga azul entre soluços banha.
Como fria ironia a tantas mágoas,
Batia o sol de chapa sobre as aguas.