Abrir menu principal
A Divina Comédia por Dante Alighieri, traduzido por José Pedro Xavier Pinheiro
Paraíso, Canto XXIV


Beatriz roga aos santos que iluminem o intelecto de Dante. Eles manifestaram o seu assentimento. O mais luminoso entre os santos, S. Pedro, aproxima-se mais do Poeta, o interroga sobre a Fé. O apóstolo aprova inteiramente as respostas de Dante o abençoa, cingindo-o três vezes com o seu esplendor.

“Ó soldalício, à ceia convidado
Do cordeiro de Deus, que dá sustento
Tal, que o apetite heis sempre saciado,

Se inda antes de chegar ao passamento
Preliba este homem — assim Deus dispensa —
Da mesa, em que comeis, tênue fragmento:

Alívio dai-lhe em sua sede imensa.
Na fonte sempre hauris, de que deriva
Quanto ele, sôfrego aspirando, pensa.” —

Disse então Beatriz. Com flama viva,
À guisa de cometa, a grei contente,
Como esferas em pólos, gira ativa.

Em relógio quem põe atenta a mente,
Das rodas uma cuida estar sem moto
E correndo estar outra velozmente:

Pelo vário compasso que lhes noto
Nas coréias, já lento, já apressado,
Da glória sua a estimativa adoto.

Do círc?lo em mor beleza assinalado
Um lume vi surgir tão venturoso,
Que outro nenhum ficara avantajado.

Em torno a Beatriz girou formoso
Por vezes três com tão divino canto,
Que trasladar não posso o som donoso.

Screver não cabe à pena enlevo tanto,
Cores não tem palavra ou fantasia,
Que exprimam propriamente o doce encanto.

— “Santa irmã nossa, que dessa arte envia
Devotos rogos, teu ardente afeito
Dessa bela coréia me desvia.” —

Parando, o bento lume ao claro aspeito
De Beatriz o sopro há dirigido,
Que falou do que eu disse pelo jeito.

— “Eterna luz desse varão subido,
Que de Deus” — torna — “as chaves da alegria
Que infinda à terra deu, hás recebido,

“Deste homem como queiras avalia
O saber sobre a Fé lhe perguntando,
Pela qual sobre o mar andaste um dia.

“Se bem crê, se bem spera, terno amando,
Certo sabeis, pois tens fitado a vista
Onde tudo se está representando.

“Mas como cidadãos o céu conquista
Pela Fé verdadeira, para honrá-la
Explique ele por que na Fé persista.” —

O bacharel apresta-se e não fala
Té que o Mestre a questão haja of?recido,
Por aprová-la, não por terminá-la:

Assim, de todas as razões munido,
Dispus-me, enquanto Beatriz se explica,
A tal assunto, por tal Mestre arguido.

— “Teu pensar, bom cristão, me significa:
O que é Fé?” — Presto, ouvindo, o rosto alçava
Para a luz, que a questão desta arte indica.

Voltei-me a Beatriz: já me acenava
Para que sem detença água fizesse
Brotar da interna fonte, onde a guardava.

— “A graça, que concede eu me confesse
Ao sublime Primópilo” — assim digo —
“Permita que os conceitos claro expresse!

“Como escrito, Pai meu,” — depois prossigo —
“Foi com verdade pelo irmão amado,
Que Roma em bom caminho pôs contigo,

“É a Fé a substância do esperado
E argumento evidente do invisível:
Da Fé a essência assim tenho julgado.” —

Tornou-me: — “O parecer teu é plausível,
Se o porque foi substância definida
E argumento te fica inteligível.” —

— “De mistérios” — disse eu — “soma crescida,
A mim nestas esferas revelada,
Está na terra aos olhos escondida.

“Sua existência em crença é só firmada,
Em que se fundamenta alta Esperança:
Substância, pois, tem sido intitulada.

“E como em crença o raciocínio lança
As premissas sem ter mais outra vista,
Por isso de argumento o nome alcança.” —

— “Se quanto lá na terra homem conquista
Por doutrina, assim fosse comprendido,
Lugar faltava ao engenho do sofista” —

Daquele aceso amor foi respondido;
E mais: — “Nesta moeda examinado
Metal e peso muito bem tem sido.

“Mas diz: na bolsa a tens arrecadado?” —
— “Sim” — tornei — “tão redonda é, tão polida,
Que do bom cunho estou certificado.” —

A voz então, desse esplendor saída
Perguntou-me: — “Essa pedra preciosa,
Em que toda virtude se acha erguida

“Donde a tens?” — Eu: — “A chuva copiosa,
Pelo Espírito Santo derramada
Na Lei antiga e nova portentosa,

“Razão é, porque foi-me demonstrada
Com agudeza tal, que outra seria
Obtusa, se lhe fora comparada.” —

— “Porque divina lei pareceria
A nova e a antiga” — a voz logo retorna —
“Que a tão profunda convicção te guia?” —

— “É prova que a verdade clara torna
De obras a série” — eu disse — “a que natura
Nunca ferro aqueceu, bateu bigorna.” —

A luz me replicou: — “Quem te assegura
Que as obras fossem tais? Quem defendido
Por provas deve ser. Quem mais to jura?

Então falei: — “Se o mundo convertido
Sem milagres de Cristo à lei se houvesse,
Este o maior milagre houvera sido;

“Porque pobre, em jejum, para ter messe
Semeado hás na terra ótima planta:
Onde foi vinha, hoje espinhal só cresce.” —

Mal concluía, quando a corte santa
Nas esferas — Louvemos Deus! — entoa
Nessa toada, em que no céu se canta.

Do sublime Barão, que até a c?roa
De ramo em ramo me elevado havia,
Naquele exame, a voz de novo soa.

— “A graça com tua mente consorcia
Tanto, que por teus lábios tem falado:
Té aqui respondeste o que cumpria.

“Dou, pois, assenso ao que me tens tornado;
Mas tua crença exprime, lhe acrescendo
De que fonte à tua alma ela há brotado.” —

— “Ó Santo Padre, ó Spírito, que vendo
Stás quanto creste, tanto que chegaste
Ao Sepulcro, o mais moço antecedendo,

“Direi” — lhe torno — “(assim determinaste)
Da minha Fé a fórmula evidente,
Sua origem direi como ordenaste.

“Em um só Deus eu creio onipotente,
Eterno, que, imutável, os céus move
No desejo e no amor sempre clemente.

“São, para que tal crença se comprove,
Metafísica e física discretas;
Mas da verdade a prova também chove

“Por Moisés, pelos salmos, por profetas,
Pelo Evangelho e escritos, que inspirado
Vos tem o Esp?rito Santo, almas seletas.

“Nas Três Pessoas creio afervorado;
Creio na essência delas Una e Trina,
Tanto que é stá com são bem conjugado.

“O que de altos mistérios da divina
Condição digo, em traços mil se assela
Em mim pela evangélica doutrina.

“Este o princípio, esta a fagulha bela,
Que depois se dilata em flama ardente
E em mim cintila, qual nos céus estrela.” —

Qual patrão, que de servo diligente
Aprazíveis notícias escutando,
Feito o silêncio, o abraça de contente,

Assim, quando acabei, me abençoando
E cantando, três vezes me acercava
O esplendor apostólico, mostrando

Das respostas que eu dei quanto folgava.