Abrir menu principal
O Livro de Esopo por Esopo
XXXI - O gavião e o rouxinol
Transcrição e Notas de Leite de Vasconcelos. Vid. também O Falcão e o Rouxinol, traduzida por Manuel Mendes da Vidigueira.


XXXI. [O gavião e o rouxinol]

       [Fl. 22-v.][P]om este poeta este emxemplo, e diz que estando hũu rroussinoll cantando no sseu ninho, omde tijnha sseus filhos, veo hũu gauiam e tomou-lhe hũu dos filhos do ninho. E este rroussinoll ho rrogaua, quanto podia, que lhe désse o sseu filho e nom lhe fezesse mall, e que ssempre faria sseu seruiço. O gauiam lhe disse:

— Sse queres teu filho, camta o mays doçemente que tu ssabes.

O rroussinoll começou de cantar o milhor que ssabia, e bem que camtaua com a boca, choraua de coraçom. E depoys que camtou, o gauiam scarneçia d’ell, dizemdo que lhe nom parecia bem aquell[1] camto; e d’auante a ssua madre lhe comeo ho filho.

E depois este gauiam voou em hũa aruor omde armauam aas aues com ho visco, e enviscou-sse: e o passareyro o tornou e matou-ho. E o rroussinol vio matar o gauiam, e prouue-lhe d’ello muyto.





Per este emxemplo o poeta nos demostra e diz que os homẽes jnicos e cruees, que ssempre persseueram em mall, digna cousa he que façam maa fim, e mortes maas mouram, assy como ssem piedade derom morte aos jnoçemtes, ssem sseus mereçimentos.

NotasEditar

  1. No ms. aql com l cortado (em fim de linha).